Terapia Junguiana

Terapia Junguiana: entenda o que é e como funciona

A terapia junguiana é baseada nos princípios de Carl G. Jung e dos psicanalistas pós-junguianos. Tem como objetivo auxiliar a retomada da essência da pessoa, ou seja, viver conforme o que realmente a pessoa é. Além disso, ela busca iluminar os pontos obscuros da mente para promover a autorrealização.

Para a análise e entendimento do ser humano, são utilizados métodos que investigam o mundo dos simbologismos, reforçando com os sonhos e as técnicas expressivas, iniciando um diálogo entre o consciente e o inconsciente, possibilitando a mudança e a expansão do olhar em relação a si e ao outro.

Neste post, saberemos mais sobre a terapia e o papel do terapeuta. Acompanhe!

Como funciona a terapia junguiana?

Na terapia junguiana, o profissional e o paciente atuam juntos para alcançar um caminho que faça sentido ao paciente. A partir dessa interação, são traçadas estratégias terapêuticas para explorar a psique.

O paciente é livre para falar sobre qualquer assunto que se sinta à vontade. Desde situações boas que vivenciou ou algum acontecimento que esteja incomodando e precisa de reflexão.

O terapeuta buscará a compreensão simbólica do que representa aquele fato. Assim, o paciente pode compreender com mais clareza as situações que vivencia e qual o seu papel no mundo.

O entendimento simbólico significa ir além do óbvio, investigando quais pontos estão intrínsecos àquele determinado problema. Pode ser alguma experiência, crença, conceito, dentre outros aspectos.

Ainda, o terapeuta junguiano também explora e examina os sonhos, imaginação ativa, arteterapia ou qualquer outra atividade que compreenda a psique do paciente.

Qual a postura do terapeuta no processo?

A postura do terapeuta nas sessões varia conforme a característica do profissional. Em geral, ele é participativo, ouvindo e pontuando situações para a reflexão do paciente.

Conforme os princípios de Jung, a interação é um dos motivos que proporcionam a transformação da pessoa na terapia, a partir de uma relação verdadeira entre ambos.

Dessa forma, o vínculo terapêutico tem um papel de extrema importância na construção e fortalecimento da relação ao longo das sessões.

Existem particularidades na terapia?

A terapia junguiana não é linear e varia conforme os movimentos psíquicos do paciente. Ela atua de modo espiral, ou seja, questões trabalhadas em um momento podem voltar a ser examinadas em outro, porém, de um novo ângulo.

Jung não aspirou criar um manual para trabalhar a psicoterapia. Segundo ele, cada pessoa tem sua particularidade e formas diferentes de lidar com as questões da vida. Ainda, seus princípios consideram a multiplicidade da psique e a individualidade do ser humano.

Apesar de ser uma abordagem a longo prazo, seus benefícios podem ser percebidos já nas primeiras fases.

Qual a importância das sessões?

Compreender os nossos comportamentos, ações e os sentimentos inconscientes é fundamental para transformarmos o modo como nos relacionamos com o mundo.

O entendimento dos sentimentos inconscientes promove uma autorreflexão e nos ensinam a lidar com os outros com menos julgamento e mais aceitação.

As situações e fatos que já aconteceram são remodelados e ressignificados, permitindo uma mudança de atitude positiva e transformadora. A terapia junguiana é de grande ajuda e pode auxiliar na busca das respostas para sua vida.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Lajeado!

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe